quinta-feira, 22 de junho de 2017

ACHO QUE DEU

às vezes


Meus poemas sintéticos

são poesia esgotada

de um sujeito cansado

pela lida no hábito

que abrevia a palavra.


{meus poemas fonéticos

dão poesia trovada

a um perfeito entronado

nesta vila que habito}


[pela via do dito

orlando o genérico

insignificante]

...

Há fazer a respeito?

(espregunto ao afeito)

terça-feira, 20 de junho de 2017

CANINA

Se gato

ou rato

se nato

ou pato

o fato

do olfato

sem tato

que lato

eu mato

de chato

e a jato

barato!

domingo, 18 de junho de 2017

FACE À LUZ

escolhas

Ao avestruz

face à cruz

sem capuz

nem chapuz

ou alcaçuz:

- o arcabuz

(com truz)

ou o alcatruz

(sem truz).

sábado, 17 de junho de 2017

QUADRA GOLPISTA LII

Joesley


... e o tecido

desde urdido

corrompido


antevisto

repartido

dividindo


e emendado

pressentindo

algo errado


desdobrado

apodrece

trismegisto...

sexta-feira, 16 de junho de 2017

ORIENTAL


Quando o sol evade

por trás do horizonte

da terra que invade


as cores se deitam

do céu mastodonte

no brejo da tarde


enquanto despeitam

(à noite defronte)

do lótus que nasce.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

AJUIZADO

Com pés à mão

as pernas são

(a mente em vão
ao rés do chão)

meu coração.

O braço, dão.

O passo, não.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

FÁUSTICA

Sórdido (o)

mórbido

pórtico

da fama

que afanas:

- órfico

te engana

(inflama

tua gana).

domingo, 11 de junho de 2017

POR UM DESTINO COMUM

aos cosmopolitas de província


Sois um, dois, três

dez, cem mil

convizinhos talvez

de algum Brasil

- mesmo que estrangeireis
mais vosso português.

Brasileiros

sois desejos varões
de projetos verões

nas praias e ruas
luas e guarda-sóis.

Mas quando azeda
o feijão da panela

filistinos

sois ensejos serões
dos trajetos padrões

de viagens, migrações
barões ou viajandões:

- deles a sós

de vós entre nós;

dela, de ti

de vocês por mim.

Pois sim! Há que cuidar o jardim
do devir primeiro

ao retê-lo perfumado
por jasmins-verdadeiros...

[mesmo que impregneis
mais do ideal burguês]

sábado, 10 de junho de 2017

QUADRA FRATERNA

Na caverna

a mão terna

da lanterna

nos governa.

QUADRA GOLPISTA LI

TSE


Ontem era dia.

Eu escreveria

sobre a ironia

de tapeçarias

em tabacarias

e outras ousadias

do que incendiaria

sob a astronomia

das ideologias.


Hoje já podia

(amanhã daria)

- mas por que poesia

sobre estrelas-guias

de ventriloquias

entre carestias?

- entre as barbarias

da nobiliarquia

das velhacarias?...