segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

MINGUANTE II

Meu corpo irá durar
enquanto eu precisar.

Ele perdurará
enquanto seu xará

apesar do pesar
de pesar e pesar.

Embora um dia vá
embora do sofá

- da besteira de andar
à cadeira de andar

(e desta a um feio algar) -

meio corpo haverá
aqui antes de acolá:

- porque corpo solar
numa fase lunar.

DO VENTILADOR

curto o circuito

O noticiário

- seu comentário
vocabulário
itinerário;

- seus proprietários
e secretários
e adversários;

- seus corolários
porque breviários
porque arbitrários
(porque contrários) -

será ao contrário

seu temerário

destinatário.

domingo, 28 de fevereiro de 2016

PREGUIÇOSOS

Um dia de sol

e eu com terçol

na alma.

...

Um dia de sol

e ele com tersol

nas mãos

(contra a escuridão)

...

[um dia de sol

(de guarda-sóis)

e ela nos lençóis

ainda]

sábado, 27 de fevereiro de 2016

QUADRA SUBJACENTE

[este langor ao escrever
(nesse torpor fingir sofrer)

vem de um amor a prescrever
(seu dissabor reconhecer)]

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

QUADRA A VACUUM

No século vinte e um

um régulo, de algum

há muito é de nenhum

(há muitos, e nenhum)

DECOREBA

paturebas

Nas fileiras
de cadeiras

encadeiam
tal conversa

por escadas
obversas

(de sacadas
submersas)

numa escala
adversa

[porque odeiam
bibliotecas]:

- esvaziam
as palavras

que extraviam
de outras lavras...

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

QUADRA GOLPISTA

embora setilha

A fala licenciosa

da mente facciosa
de gente fastidiosa

conjura, prodigiosa
conspira, pretensiosa

(prepara, silenciosa)

ciosa de si, ansiosa...

DO PROFESSOR GASTO

A sala vazia

das aulas cerzidas
modernas cantigas
(entre outras fadigas)

ecoa, vívida

coisa mais antiga
que pedagogias.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

REVISITA 120: HIATOS PREENCHIDOS

50º poema de À procura de Nefertari

Sopra suave aquela brisa
de algum lugar além daqui:

- pressentir a sua doçura
machuca, como se flores
de todas as cores esmaecidas
despetalassem inadvertidas
do que vive em mim de ti.

Toca uma canção inesquecível
num canto qualquer, inacessível:

- sabê-la festiva, no íntimo
fere de silêncios o ouvido;
e não me consola a ciência
de senti-la melodia de uma hora
menos serena que a nossa.

Paira entre versos, inimiga
a sombra de outra vida mais querida:

- pois aqui hesita nos vestígios
claros dos teus olhos límpidos
tão adorados - e fugidia
que às vezes parece teus lábios
furtiva num meio-sorriso.

15/11/2005

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

DO VALOR DA VISÃO

O preço de enxergar à frente

(e o custo de se fazer frente)

é o mediano medo da gente
(a mediocridade vigente)

face à aurora próxima ao poente

(anterior ao próximo expoente)

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

GISMONTI: ÁGUA E VINHO

álbum, canção

Adivinho

meu coração

num coração rapazinho;

num coração com espinhos
de sentimentos vizinhos

meu coração ribeirinho:

- embarcação sem alinho
(verde o timão na contramão)

enamorado e sozinho;

destemperado mocinho
inclinado a desatenções

burburinhos

trepidações

torvelinhos;

a inspirações

descaminhos

e abreviações

(de destinos...)

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Na Comercial da 413 Norte

o melhor poema de rua dos últimos tempos

"Fazer cocô

é obrigatório.

Fazer merda

é opcional."

REVISITA 119: DO PONTO ONDE NOS ENCONTRAMOS

49º poema de À procura de Nefertari

- o que há de tão errado
na fast curve do tempo
(à luz daquele cruzamento)
que circunscreva o espaço

de manobra necessário
ao suave pisar do freio
impeditivo (tormento!)
de espatifar-se o sentimento?

- o que há de tão difícil
(à luz daquele cruzamento)
em tratar-se, de início

do mergulho-equipamento
que a tua dor (de amor ileso)
resgataria do abismo?...

30/10/2005

sábado, 20 de fevereiro de 2016

DEPOIS DA MEIA-NOITE

Bela noite.

Boa a noite

entrenoite.

Noite repleta

enquanto passa;

quando completa

noite fechada.

...

(à noite, outra noite

cruza a madrugada)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

FANTASIA DA ALMA

ao gênio de Egberto Gismonti

Os dez dedos do Egberto
tocam o Brasil profundo

um Brasil redescoberto:

- da romaria ao entrudo
os meus ouvidos vão junto...

Os dez dedos do Egberto
trazem o Brasil mais perto

do que Villa fez facundo:

- proto-Brasil rico e rudo
o paraíso - contudo

um Brasil sonhado há muito
um Brasil possível junto:

-- meus ouvidos vão com tudo...

Os dez dedos do Egberto
na música do Egberto

(instrumentos em aberto)

tornam o Brasil transunto
do que há de melhor no mundo:

- do que pode, sobretudo
ser de belo, bom e justo.

[nos ouvidos, testemunho...]

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

SEXTILHA DO PONTO

na manufatura

Os olhos no horário
espelhado do átrio

(olhos descansados
de noites em claro)

o são no trabalho
que não enxovalham.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

REVISITA 118: A DESORDEM DOS FATORES

48º poema de À procura de Nefertari

Eu sigo precário
qual um condenado
ao desequilíbrio
do malabarismo:

- aspectos dissonantes
de térreos sonhos possíveis
desprendem-se fragmentos
de segmentos visíveis

e levam-me de mim mesmo
(o tal meu destino em riste)

ao vácuo absoluto
daquela queda livre:

-- o que findará primeiro?
   (meu segundo ou um terceiro?...)

30/10/2005

domingo, 14 de fevereiro de 2016

QUADRA SOLIDÁRIA

Neste domingo de calor

haverá solidão maior

que a daquele ventilador

na velocidade menor?...

sábado, 13 de fevereiro de 2016

ANÓDINO

a propósito da leitura de certos jornais

O discurso liberal
não faz bem - mas nem faz mal

como léxico trivial

de êxito entre comensais
(à parte seus serviçais)

de velhos salões ovais

[sejam burgueses ou reais
rivais ou patrimoniais]

...

O discurso liberal
- no que tem de literal

cabe mais aos carnavais
(sua ótica festival):

- flor exótica, estival
da estufa do capital...

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

ESPESSURA

do cerrado

Ar espesso
ar nublado

- qual seu peso
quase opaco?...

Ar espesso
adensado

- por que tempo
perdurado?...

Arremesso
malparado

indefesso
pendurado!...

Ar espesso
ar cansado

- que lhe peço
já regado?...

Ar opresso
muro d'água

- quando preso?
- quanto vaza?...

...

Ar espesso
no feriado

- se me custa
o que é dado

queira o vento
queira a chuva

remontá-lo
na segunda!...

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

CINZAS II

A quarta anuncia
a quinta em seguida

e depois a sexta
a segunda e a terça

talvez entrementes
(por indiferentes)

na vida das gentes
pregadas nas teias;

talvez o seguinte
o que as fortaleça

no sábado cresça

desopile as veias
explore outras vias

domingue e pereça...

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

TERÇA GORDA

Mas estou magro

de tanto agrado

fino, delgado

e delicado.

...

(troquei de horário

de itinerário

algo arbitrário

todo ao contrário)

...

(mudei a dieta

a lida, a meta

por uma siesta

pouco indigesta)

...

(já ao quadrado

caí de quatro

lasso e devasso

no sofá grasso)

...

[mas estou magro

(gordo ao contrário)

de tanto agrado

(seu corolário)]

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

REVISITA 117: ERRATA

47º poema de À procura de Nefertari

Redesenhar um poema
não é pouco, pequena:

- retorce o já tortuoso
recorte, já a gosto...

Retocar-lhe a palavra
o violenta, e o agrava

no que a escrita teria
desencontrado, lida...

Se queres chorar por ti
sente e verte, por ali

qual fadada a tua vida;

- mas não queira azulada
asa tal, fraturada

arremedo de tinta...

24/02/2005

domingo, 7 de fevereiro de 2016

DOMINGO GORDO

quadra carnavalesca

Estou presente

(digo 'fulgente')

malemolente

[tevê à frente]

sábado, 6 de fevereiro de 2016

DO SÁBADO DE CARNAVAL

pluvioso, pluviátil, pluvial

em Brasília
(Asa Norte).

Numa ilha
deste porte

desse clima
passaporte

(não que importe!)

pantomima
me transporte

me deporte
me suporte

noutra sorte:

- nesta ilha
ser de morte

sem quadrilhas
seguidilhas

sem virilhas
de novilhas

só mar forte

céu acima!...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

ACERCA DO MOMENTO

político existencial

Quando me pergunto

- parando um minuto
- sobrando em segundo

sobre este quadro diminuto
aumentando ininterrupto

- do que me aborreço?
- e qual encabeço?

A bem do que apreço
respondo sem condescendê-lo

(onde punham preços
serão olhares nada vesgos):

- a hipocrisia de uns
- o fascismo de alguns

e o que têm em comum.

SURDO APITO

Zumbindo

ao fundo

de tudo

uma síntese do barulho
do mundo todavia escuto

no que silencio
enquanto enfastio

(toda a vida ruída em conjunto)

...

[uma síntese do que escuto

sumindo no ouvido

e dele revinda

aguda]

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

MANHÃ PINDÁRICA

bem-vinda à sombra!...

Ela espremeu-se
ensolarada

entre dois desses
períodos d'água

a fim de ver-me
a caminhá-la

ensolarados

(afora suado):

- mas este poema
por celebrá-la

(sem defendê-la
desobrigada)

tem precedência
por ora em casa...

...

[talvez mais tarde

(se aquela que arde
cruzar a tarde)

irei beijá-la
apaixonado

embora tarde

agora baça...]

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

SEXTILHA DA AÇÃO SELETIVA

uma questão para a justiça

... sobre o princípio da presunção

da inocência de um dado varão

é justa a falta, em sua aplicação

face ao que sobra, em comparação

com tal princípio na afirmação

da inocência de um dado barão?...

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

NO TOPO DA CADEIA

falimentar?

Homo sapiens:

- que de sapiens
de fato tens?

As origens?
(suas imagens?)

As linguagens?
(tuas mensagens?)

Personagens?
(homenagens?)

Abordagens?

Engrenagens?

(parolagens?)

Quais vantagens?
(vassalagens?)

As coragens?
(das roupagens?)

As vertigens?
(são selvagens?)

As bagagens?
(de tais viagens?)

As passagens?
(das paragens?)

As paisagens?
(das miragens?)

Homo sapiens!

- que de sapiens
mesmo tu tens?...

[tais bens - quais trens...]

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

CHANGESONEBOWIE

Ground control to major Tom...

A vida que aventura
além das imposturas

solicita a postura

de David para Stardust

(one with no time to adjust
to wherever he was thrust)

de Ziggy para Bowie

(more than the average woe
not to be Marilyn Monroe)

da fama para a vida

(sem que ela sobreviva
além do que musica)

Can you hear me major Tom?...